quarta-feira, 31 de maio de 2017

POESIA E PROSA

Leio nestes últimos dias dois autores que muito admiro: SARAMAGO e QUINTANA.
Do primeiro leio A viagem do elefante que, embora de leitura mais "fácil" do que a dos demais do autor, traz como naqueles, além de uma reflexão sobre as atitudes humanas,  toda a ironia e crítica social, desta feita de uma forma bem humorada, que nos faz sorrir... e pensar....
Já de Quintana, o Baú de Espantos nos oferece deliciosos poemas que, no dizer de Ronaldo Polito que assina a apresentação do livro, buscam o "insólito por trás do comum, do cotidiano, do corriqueiro".
Dois autores, duas obras, um eterno prazer...

Aqui vão dois trechos dos dois autores, que tratam, de forma poética, da construção e constituição do discurso.

Realmente, o maior desrespeito à realidade, seja ela, a realidade, o que for, que se poderá cometer quando nos dedicamos ao inútil trabalho de descrever uma paisagem, é ter de fazê-lo com palavras que não são nossas, que nunca foram nossas, repare-se palavras que já correram milhões de páginas e de bocas antes que chegasse a nossa vez de as utilizar, palavras cansadas, exaustas de tanto passarem de mão em mão e deixarem em cada uma parte da sua substância vital. 
(José Saramago, A viagem do elefante,  p. 241)


O DESCOBRIDOR

Ah, essa gente que me encomenda
um poema
com tema...

Como eu vou saber, pobre arqueólogo do futuro,
o que inquietamente procuro
em minhas escavações do ar?

Nesse futuro,
tão imperfeito,
vão dar,
desde o mais inocente nascituro,
suntuosas princesas mortas há milênios,
palavras desconhecidas mas com todas as letras misteriosamente acesas
palavras quotidianas
enfim libertas de qualquer objeto

E os objetos...

Os atônitos objetos que não sabem mais o que são
no terror delicioso
da Transfiguração
(Mário Quintana, Baú de espantos, 2014)