segunda-feira, 14 de maio de 2012

CONTINHO

Pergunto-me por que demorei tanto em postar alguma coisa... Falta de tempo? Falta de idéias? Falta de inspiração? Não sei, um pouco de tudo e mais. Respeito demais quem me lê para escrever qualquer coisa, apenas por escrever...
Aventuro-me hoje a colocar um continho escrito já há algum tempo, que segue o mote da brevidade. Este, mais lacônico do que o primeiro que escrevi, tem em sua objetividade uma meta a cumprir. Excluir tudo o que seja excesso.
Apresento então este continho intitulado:

Em uma certa noite de verão


Disse Tcheckov que a brevidade é a maior das virtudes. Disse também que em contos, mais vale dizer de menos que de mais. Assim, compreendam, esta brevidade, intencional, permite que construam a sua vontade, os detalhes que criam o desenrolar dos fatos, bem como as possíveis implicações que possam acarretar.
Vamos, pois aos fatos.
Por trás da vidraça fechada, o gato chora por liberdade em lamentos profundos.
Na cama virginal, a menina sonha sonhos eróticos, entre lençóis.
Na rua estreita, deserta a esta hora, o vento morno de verão, carrega folhas e poeira.
Alerta, o gato interrompe o lamento, orelhas em pé.
Ao assobio conhecido, a menina desperta e, rápida, deixa os lençóis e o pijama, já vestida em jeans e camiseta. Rapidamente, pela janela, agora aberta, passa o corpo esbelto que se acomoda na garupa da moto.
Parte a moto e o gato se esgueira, aproveitando o vão. Livre!
Livre ele, em muros e telhados. Livre ela, em um motel próximo.
A madrugada traz de volta os dois fugitivos e os primeiros raios de sol encontram a menina adormecida na cama que deixou de ser virginal.
O gato, esse dorme enroscado no tapete.
Tudo volta à normalidade, à rotina barulhenta de todo dia.
Tudo parece igual. Apenas parece.
Esses os fatos. E dessa forma, compacta e, espero, clara, deixo a quem lê, a tarefa de criar as conseqüências e os desdobramentos do acontecido em uma certa noite de verão...

                                              Papel de parede - Google Imagens