sábado, 25 de abril de 2015

SEMPRE A MÚSICA

A música inspira.
A música inflama.
A música acalma.

Embalados pela música, sonhos dançam no infinito, aguardando a pausa que os trará à prosaica realidade da concretização.

A música é imprescindível...



"O brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959) escreveu um total incrível de 2000 obras, muitas das quais são desconhecidas fora da América do Sul. Tendo ficado órfão aos doze anos, sustentou-se tocando violoncelo, vagueando pelo país com o instrumento às costas, absorvendo a música dos índios nativos, assim como a dos colonos portugueses. Em 1915, encontrou Milhaud [professor e compositor francês - viveu no Rio de Janeiro de 1917 a 1919] no Brasil e aprendeu com ele sobre a música de Debussy, Stravinski e outros compositores. Nos anos 20 passou algum tempo em Paris, mas durante a maior parte de sua vida trabalhou no Rio de Janeiro. É mais conhecido hoje pelas suas Bachianas brasileiras, que tratam as melodias de inspiração folclórica no estilo de Bach."
(Keith Spence. O livro da música. )





Bachianas brasileiras nº 4: Prelúdio
Heitor Villa-Lobos
Regente: Isaac Karabtchevsky
Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo 



Cada vez que o vento passa pela área do Canary Wharf, em Londres, Aeolus solta uma série de notas musicais. A escultura ecológica, que tem o nome do senhor dos ventos da mitologia grega, foi criada pelo britânico  Luke Jerram .