quinta-feira, 5 de novembro de 2015

SEMPRE POESIA: SEMPRE DRUMMOND

Vivemos tempos áridos...
Somos bombardeados por notícias de um mundo caótico, em que se mata por diferenças, sejam elas sociais, religiosas, políticas... Um mundo em que seres humanos exploram, roubam, agridem outros seres humanos sem escrúpulos, sem  piedade... 
Em nossa vida pacata, tranquila, cercada do carinho dos amigos e da família, parecemos estar em um outro mundo, não aquele retratado nos jornais ou na televisão.
Que mundo é esse? O que lhe falta?
Meu poeta preferido (já disse isso várias vezes), Carlos Drummond de Andrade, nos mostra o caminho. O único. O derradeiro.

ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU

Além da Terra, além do Céu.
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Amar se aprende amando. Rio de Janeiro, Record, 1985, p.16


Blog da Cosac Naify
http://editora.cosacnaify.com.br/blog/?p=9149