sábado, 22 de setembro de 2012

TEMPO

Sem tempo para escrever... Sem tempo para criar... Sem tempo para sonhar...
O momento é de trabalho, de planos, de prazos, de tarefas a cumprir, enfim, a rotina de quem tem sob sua responsabilidade a gestão de um, ou melhor, dois cursos acadêmicos.
Peço desculpas aos que me seguem pela minha ausência nesses dias, em que as coisas "se embolam" como se diz na linguagem informal, por aqui.
Para me redimir, trago hoje três pérolas: Caetano Veloso,  Antonio Cicero e Vermmeer. O primeiro com a doce "Você não me ensinou a te esquecer", de Fernando Mendes;  o segundo permitindo que se reflita sobre guardar e perder  e o terceiro apenas para o prazer do olhar.

Caetano Veloso
Você não em ensinou a te esquecer - Fernando Mendes
Youtube

GUARDAR

Antonio Cícero

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em cofre não se guarda coisa alguma. 
Em cofre se perde a coisa à vista.
Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.
Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela, 
isto é, estar por ela ou ser por ela.
Por isso melhor se guarda o voo de um pássaro
Do que um pássaro sem voos.
Por isso se escreve,  por isso se diz, por isso se publica.
por isso se declara e declama um poema:
Para guardá-lo:
Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:
Guarde o que quer que guarda um poema:
Por isso o lance do poema:
Por guardar-se o que se quer guardar.

MORRICONI, ITALO. Os cem melhores poemas brasileiros do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001



Moça com brinco de pérola
Johannes Vermeer
Google Imagens