domingo, 11 de agosto de 2013

BRINCOS




Moça com brinco de pérola
Jan Vermeer
www.allposters.com.br

Na obra de Vermeer, "Moça com brinco de pérola", o que sobressai é, sem dúvida,  o brinco, com seu brilho, seguido imediatamente do olhar da moça. 
Sem que houvesse qualquer relação, o texto a seguir, escrito há alguns anos, traz também, como detalhes, o brinco e o olhar...


SALA DE ESPERA        


            Pegue sua ficha e aguarde a sua vez
    À primeira vista, poderia passar por uma adolescente como tantas outras com quem cruzamos na rua, nos bares, nas tardes ensolaradas de uma cidade qualquer.
     A calça justa, a blusa que sugere um corpo jovem, os tênis da moda, tudo é cor, é movimento, é vida.
     Mas não o rosto. Observe o rosto atentamente. Neste momento está virado para a janela, perscrutando o horizonte em busca talvez de um pouco de azul entre o cinzento da cidade. Por isso só vemos os cabelos negros, lisos, curtos. Uma ponta de orelha e um brinco, inexplicavelmente, saborosamente amarelo.
     Mas, enfim o rosto. Ela se volta e o contraste é tão grande que é impossível desviar os olhos, é impossível até mesmo respirar. Um hiato e percebo que todos, como eu, a observam.
     Ela não se perturba. As pálpebras semifechadas,  os olhos não vêem o entorno, circundados por olheiras arroxeadas. O que mais impressiona é a palidez. Translúcida a pele, deixa entrever veias azuis que pulsam. Ou seria apenas impressão? Mas o nariz fino é real e a boca sem cor alguma é bela mas contraída, num rítus amargo.
     Uma porta se abre, uma voz que chama e um par de olhos azuis, imensos se revela e nos perdemos nesse olhar, misto de medo e resignação, de tensão e esperança.
Vida e de morte, se entrelaçando, aguardam um destino ou uma sentença.
O próximo, por favor...