segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Tempos de abraços

  Nesses tempos de abraços e votos de felicidades, parece que o mundo, pelo menos o nosso pequeno mundo, constituído de amigos, familiares, conhecidos, se torna extremamente sentimental. Abraços, beijos, carinhos são constantes e o cotidiano é invadido por sensações que ficaram ocultas sob a avalanche de compromissos, tarefas...
  É bem verdade que o cartão ao meu lado desmente minhas afirmativas e os dizeres: "Vovó eu amo você de coração" não reflete o espírito do natal, pois já me foi dado há algum tempo, e sim demonstra a afetividade da criança que descobre que além da mãe e do pai pode contar também com a avó nas horas difíceis para ela (chuva, trovão, dores de barriga, brigas com o primo). Mais do que isso, demonstra a conquista da palavra escrita que pode expressar seu mundo interior.
  Mas é nesta época do ano que afloram os sentimentos e os e-mails nos trazem mensagens de quem não está perto, ás vezes acompanhados de sons, imagens. Tudo isso para dizer: Lembrei-me de você! Estou longe, mas gosto de você!
  Já disse uma vez que a distância pode separar o abraço, mas não pode impedir o afeto e isso se comprova nos vários telefonemas que recebemos e nos cartões que enviamos. (Afinal, alguém ainda envia cartões pelos correios?)
  Enfim, nesta manhã de 2012, em que as festas já se acabaram e os compromissos começam a bater à nossa porta, a vida retorna ao seu cotidiano. As expressões de afeto, agora, são rápidas e banais. Tornam-se mais saudações apressadas e não mais é preciso demonstrar que gostamos do outro.
  Será?
  Será que é preciso uma época especial para dizer que gostamos do outro? Ou, como Isabella, dizer, àqueles com quem convivemos, a qualquer hora, sem compromisso, sem data, sem motivo:
  Eu gosto de você! De coração!