domingo, 3 de março de 2013

BOTYRA CAMORIM

Hoje, 03 de março, Botyra Camorim completaria 103 anos.
Professora alfabetizadora, escritora, poeta, co-fundadora do Centro Mello Freire de Cultura, da APAE de Mogi das Cruzes, Botyra Camorim teve uma vida de muito trabalho, dedicação, lisura e dinamismo.
Iniciou sua vida no magistério deixando sua terra natal, São Paulo e mais precisamente o Braz, bairro em que passou a infância e adolescência feliz, para ingressar em uma cidadezinha distante, quase na divisa com o Paraná, passando a viver nas escolas, nas casas cedidas por fazendeiros, enfrentando dificuldades jamais vividas anteriormente, típicas da vida na roça no início do século passado.
Até chegar a Mogi das Cruzes, lecionou em várias cidades do estado de São Paulo, sempre tentando a remoção para a capital. Aqui, fincou raizes e criou os cinco filhos, ao lado do marido.
Nesta cidade lançou seu primeiro livro: Uma vida no magistério e continuou como escritora,  poeta e cronista até o final de sua vida. Durante anos participou do Centro Mello Freire de Cultura, entidade que reunia escritores, jornalistas, poetas, repentistas, enfim, as pessoas que compunham a literatura desta cidade.
Aposentada, participou da fundação da APAE de Mogi das Cruzes, da qual foi  diretora por vários anos.
Sua obra mantém-se viva e seu livro Uma vida no magistério é material de estudo na Universidade de São Paulo, que pesquisa as professoras autoras de autobiografias.
Mais do que seu papel como professora e escritora, quem a conheceu guarda na memória a figura frágil porém de espírito forte. Lembra ainda a mulher alegre, dinâmica, cheia de amor à vida, a mãe presente e dedicada, a amiga fiel e principalmente, aquela que legou aos filhos e netos  um exemplo de dignidade e retidão.

 Google Imagens:
Jornal Mogi News - Mogi das Cruzes

Botyra Camorim em quatro momentos. Em sentido horário: em evento, com colegas professoras; discursando em solenidade em Mogi das Cruzes; entrando na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, para receber o título de Cidadã Mogiana e aos 18 anos,  com trajes de formatura da Escola Normal Padre Anchieta, em São Paulo.

IDEAL

A teima muitas vezes
é que torna possível
as coisas impossíveis

Persistir em algo
que amamos,
que acreditamos
ser realizado,
é tornar real
o que chamamos de ideal.

CAMORIM, Botyra. Emoção. Mogi das Cruzes, Ed. do autor, 1985.