sexta-feira, 4 de julho de 2014

SEMPRE POESIA - 1

VISÕES DE FAMÍLIA

Encontro um poema de Drummond, acompanhado de uma tela de Botero, em um  livro didático que usei muito em minhas aulas de Língua Portuguesa, por oferecer uma visão abrangente do uso da língua, não se atendo apenas às noções gramaticais.
Drummond, meu poeta preferido, várias vezes lembrado neste espaço, e Botero, o  pintor colombiano  que apresenta a figura humana sempre em formas arredondadas.
Imagem e poema retratando a visão do artista para um tema de alto valor afetivo.


FAMÍLIA
Carlos Drummond de Andrade

Três meninos e duas meninas,
sendo uma ainda de colo.
A cozinheira preta, a copeira mulata,
o papagaio, o gato, o cachorro,
as galinhas gordas no palmo de horta
e a mulher que trata de tudo.

A espreguiçadeira, a cama, a gangorra,
o cigarro, o trabalho, a reza,
a goiabada na sobremesa de domingo,
o palito nos dentes contentes,
o gramofone rouco toda noite
e a mulher que trata de tudo.

O agiota, o leiteiro, o turco,
o médico uma vez por mês,
o bilhete todas as semanas
branco! Mas a esperança verde.
A mulher que trata de tudo
e a felicidade.

CEREJA, W.R.; MAGALHÃES, T.C. Gramática Reflexiva: texto, semântica e interação. São Paulo, Atual, 1999. p.106.

A família - Fernando Botero
1989
arteseanp.blogspot.com.br